Retrato de Guy Debord aos 21 anos

ion

A película destruída por excessos
que virias a cometer depois.

A peste, a corrosão do mundo,
o absurdo da vida sem a qual não.

Vidente, espreitas.

[Poema retirado de Canto onde, 2006, p. 19]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: