Monthly Archives: Março 2015

Herberto, epitáfio

O amador disse ser, no já crepúsculo de uma vida, a coisa amada, a poesia. De metamorfoses se faz a face do agora morto, o vento torce vestígios de Inverno, o mar parece calmo mas contém futuras iniciações de que nada sabemos, ainda.

Céu

Quando um dia tudo for imóvel, sem frémito ou inquietação demorada, sem movimento ou luz que arrepie a superfície de cada coisa, quando tudo assim estiver entregue a um silêncio de pedra, e tu não fores senão a memória gasta, delida dessa pedra, um fogo apagado há mil anos, quando a quieta forma da tua […]

Pediatra

Na sala de espera havia esmaecidas fotos coloridas em cartazes onde se anunciavam programas de saúde pública. Crianças de ar robusto e cómico com flores na mão brincando de noivos em campos de improvável realidade.