Category Viagem

Dobra e escala em Ruy Duarte de Carvalho

Quando leio Ruy Duarte de Carvalho sou assaltado por uma certeza: estamos perante um escritor na fronteira, um escritor em que o «interior» e o «exterior» estabelecem relações de contiguidade que só podem ser descritas topologicamente. Dir-se-ia que RDC é um escritor das dobras, das plicas, em que a psicologia profunda se encena na sua […]

Afirmação de um mundo: sobre poesia e identidade ameaçada

Para a minha querida amiga Inez A montante está a identidade da poesia, não a identidade de um povo. De que país faz parte aquele que talvez não seja cidadão de nenhuma comunidade, como o filósofo de Wittgenstein? Sempre acreditei que escrever poesia era desafiar o sentido e o som do mundo num único gesto […]

Canção (St John Perse)

[«Canção» é o fragmento de abertura de Anabase de St.-John Perse (1887-1975). Foi publicado pela primeira vez em 1924. Terá sido aí que Alexis Leger assumiu o pseudónimo de St.-John Perse, que o irá acompanhar até ao fim. Após a publicação deste poema, Perse deixará de publicar durante vinte anos. A marca indelével de Anabase pode […]

Estrada

I Em nós se faz o espanto o erro e a morte. II Qualquer termo se faz – o fim, a cilada, o choro, a sorte. III Percorro a estrada – de espuma é o chão. IV Quente superfície sob moldado céu.

Tóquio

Um sofrimento sem medida poderia acordar o mundo. Mas não, nada o exige. Melhor assim. Hotéis recebem os hóspedes do hábito e do tédio. Numa estação de metro gente sonâmbula acotovela-se.

Venezianas

I Isola di San Michele. A poucos passos um do outro, Brodsky e Pound. Talvez se odeiem no eterno, mas aqui partilham um mesmo bocado de ilha. De que valem os escandidos mundos exclusivos? II Como são mistificatórias as presunções de certos seres embriagados de arte e de si mesmos. Escolas e declinações apaixonadas não […]

Camões, Montaigne e a sensibilidade antropológica moderna

[Trata-se de um artigo meu publicado na última Colóquio Letras (nº. 182, Janeiro-Abril de 2013, pp. 32-41), uma das nossas revistas de referência. Registe-se a beleza gráfica à qual não é alheia a obra plástica de Fátima Mendonça. Deixo aqui um fragmento desse ensaio que me parece levantar problemas e pistas de leitura que não […]