Lévi-Strauss no Japão

8979d1c50597ca10a76bfbf8b10d2be1
Foto: Pierre Verger

Lévi-Strauss no Japão.

O antropólogo visitou o país do sol nascente cinco vezes, entre 1977 e 1988. Dessas viagens, e das conferências por si proferidas, resultaram alguns ensaios reunidos postumamente, respectivamente, em Anthropologie face aux problèmes du monde moderne e L’ autre face de la lune: écrits sur le Japon (publicados ambos em 2011).

Apesar de nunca ter desenvolvido nenhum trabalho de maior fôlego sobre o Japão ao longo da sua longa e muito produtiva vida, poder-se-á dizer que uma certa figuração do Japão percorre o trabalho de Lévi-Strauss desde o início, e podemos mesmo dizer que se trata de um fascínio decisivo para se compreender a sua personalidade de intelectual e esteta. Tal fascínio irá atravessar o seu percurso, e podemos mapeá-lo, talvez, por derivas e súbitas manifestações, quase sempre episódicas ou circunstanciais, que se espalham pela gigantesca massa textual que nos legou. Essa dispersão nunca haveria de encontrar uma formulação densa e sistemática, como aquela que haveria de pautar uma parte considerável da sua produção em torno do parentesco, dos mitos ameríndios ou da arte. Porém, em Lévi-Strauss, o Japão ocupa uma espécie de território de importância capital, pois é através dele, nas suas aparições irregulares e fragmentárias, que se jogam dois temas que lhe são particularmente caros: por um lado, uma noção edénica da sensibilidade estética; por outro, a hipótese de sobrevivência dessa sensibilidade num lugar de tradição e recusa do tempo. Podíamos, antes do mais, dizer que a melancolia que impregna toda a interrogação que Lévi-Strauss faz da modernidade parece excluir esse território de essências e atributos que é, para ele, o Japão. Neste contexto, o Japão, apesar da sua cooptação pelas forças luciferinas da modernidade, parece ter permanecido como um lugar incólume, um lugar propiciador e fertilizador. Para Lévi-Strauss, o país do sol nascente encarna assim uma possibilidade de transfiguração e regresso àquilo que de densamente estrutural e, nesse sentido, de humano, se faz inscrever na cultura. Ele epitomiza, a seu modo, as qualidades analógicas que, face à desagregação, destruição e alegorização modernas, parecem condenadas ao crepúsculo.

[De um projecto em curso.]

Desaparecer na paisagem ou João Bénard da Costa no Japão

Quinze_Dias_Nos_Jap_oNum livrinho onde também se fala de Paulo Rocha, João Bénard da Costa revela-nos como o livro de areia de Borges é, afinal, um jardim de areia.

Intitula-se Quinze dias no Japão (2001), e foi publicado pelo jornal O Independente numa colecção de pequenos livros de viagem (em que avultam também Venceslau de Morais, Eça, Fialho e Hans Christian Andersen). Pode ser encontrado a preços de saldo (2 euros e 50 cêntimos, diz o meu exemplar) nesses espaços onde proliferam volumes esquecidos. Em Lisboa há vários sítios assim (na Estação de Stª Apolónia, p.ex.), e vale a pena visitá-los. Quinze dias no Japão resulta da reunião de «uma série de cinco artigos publicados no Diário de Notícias em Fevereiro-Março de 1979» (p.7), e é, em suma, delicioso.

Gostaria aqui de me concentrar num conjunto de observações sobre Quioto que Bénard faz numa secção com um título muito schopenhaueriano (e não é inocente a escolha, dada a influência que as filosofias orientais tiverem sobre AS) de «O mundo como vontade de representação» (pp. 68-71). Aí escreve Bénard sobre os jardins de Quioto:

«Há jardins – como os da Vila Imperial de Katsura, ou do Templo Tenriuji em Quioto – em que o que se procura é prolongar no espaço construído o espaço natural que o rodeia, por forma a que o jardim “espelhe” com a maior precisão possível a paisagem circundante. Cada planta é o duplo da que lhe está em frente, cada pedra a réplica da cascata «lá fora» existente, cada cor a que se acorda com a tonalidade encontrada no “exterior” (e com ela variando conforme as estações do ano). Através de uma técnica conhecida pelo nome de shakkei as montanhas, quedas de água, matas selvagens, são incorporadas no espaço do jardim, num arranjo paisagístico em que o “cenário” se interpenetra com o que o não é, de modo a restituir uma indissociável unidade e a multiplicar a ilusão até aos limites do que já não podemos ou sabemos classificar como tal. § Há jardins – como os do Palácio Imperial de Quioto – em que o ideal a atingir é tornar a intervenção humana tão discreta que esta se torne quase imperceptível. Como? Dispondo, por exemplo, entre a vegetação comum uma planta rara que aparentemente com ela se confunde, ganhando todo o seu valor pelo facto de não poder estar ali por “meios naturais” e conferindo a todo o espaço um peso de invulgaridade, pela mera presença de uma árvore ou flor inusual. É o caso da tangerineira do Palácio de Quioto (a tangerineira é uma árvore raríssima no Japão) que se destaca e confunde suficientemente das e com as plantas comuns que a cercam, para que tudo adquira o sentido de um tesouro, passando desapercebido a quem não distinga a diferente qualidade entre o “centro” e as suas “margens”, ou a quem nem sequer perceba que há centro e margens» (pp. 69-70).


A longa citação serve para chamar a atenção para este desdobramento infinito do artesanal e do natural um sobre o outro, como se tal distinção (artesanal vs. natural) fosse a «ilusão» maior que percorre as ilusões perceptuais e/ou representacionais do espaço. A citação serve ainda para mostrar como a exuberância de um gesto no espaço (no caso em apreciação, na «paisagem», se é que este conceito se aplica) se define, apesar da aparente contradição entre termos, pelo «imperceptível» do gesto.

Uma celebração do invisível é tornada visível. O que pretende o fazedor de jardins? Desaparecer na paisagem. Bénard acrescenta:

«(…) o ideal desta forma de jardim “é um espaço em que a própria arte seja tão inartística que passe completamente desapercebida”. Do próprio choque provocado pelo encontro do comum com o raro deve nascer a fugitiva emoção que transforme todo o espaço em espaço mágico, povoado por um insólito que em nada se opõe, que em nada se impõe, mas que a tudo se apõe.» (pp. 70-71).

Desaparecer na paisagem, então.